Últimas dos Bastidores
31 October 2014
renascer2

HISTÓRIA: “Renascer” estreou com média de 58,8 pontos no Ibope

Reprisada hoje pelo Viva, a novela “Renascer” foi exibida pela primeira vez pela Globo em 8 de março de 1993. Na época, a trama de Jose Inocêncio, escrita por Benedito Ruy Barbosa, registrou 58,8 pontos de média no capítulo de estréia.

Vale lembrar que naquela época, cada ponto do Ibope representava 39,8 mil domicílios em SP. Ou seja o primeiro capítulo de “Renascer”, em 1993 atingiu cerca de 2,3 milhões de residencias na capital paulista. Desta maneira, podemos dizer que a estréia de “Salve Jorge” com 35 pontos, mês passado, atingiu 2,1 milhões de residencias, já que hoje, cada ponto equivale a 60 mil domicílios.

Em meio a lendas, mitologias e regionalismos, “Renascer” contou a história da rejeição de um filho pelo pai, após a morte da mãe no parto. A novela é dividida em duas fases. Na primeira – os quatro capítulos iniciais –, José Inocêncio (Leonardo Vieira) chega às roças de cacau de Ilhéus, na Bahia e finca seu facão ao pé de um jequitibá, fazendo uma promessa: não morrer. A árvore passa a representar sua sorte, força e existência, acompanhando a trajetória do personagem ao longo de toda a narrativa. Corre a lenda de que ele morrerá quando o facão for engolido pela terra.

Com o passar dos anos, valente, trabalhador e obstinado, José Inocêncio constrói um verdadeiro império do cacau, e se casa com a doce e ingênua Maria Santa (Patrícia França), por quem devota um amor incondicional. Ela lhe dá quatro filhos, mas morre ao dar à luz João Pedro, rejeitado desde então pelo pai, que o culpa pela morte de seu grande amor.

Na segunda fase da novela, o coronel José Inocêncio (Antonio Fagundes) é um contador de histórias, que mantém uma aura mística a seu redor. Um dos episódios que não cansa de contar é que seu amigo, o turco Rachid (Luiz Carlos Arutin), costurou sua pele com linha e agulha depois de ela ter sido arrancada por um bando de jagunços assim que chegou à região. José Inocêncio é um homem reconhecido pelo senso de justiça, e querido pelos empregados, que lhe são inteiramente fiéis. Como Deocleciano (Leonardo Brício na primeira fase e Roberto Bomfim na segunda), amigo e companheiro inseparável, casado com Morena (Regina Dourado) – ambos trabalham e vivem na fazenda de cacau, e são adorados por João Pedro (Marcos Palmeira), de quem cuidaram desde criança –; e a fiel Inácia (Chica Xavier), empregada da fazenda, que ajudou na criação dos meninos e tem grande devoção ao patrão. É uma mulher simples e sensível, que costuma ter visões e prever o destino das pessoas.

Na média geral, a novela ficou com 61 pontos, um grande sucesso da emissora no horário nobre.